Arquivos Mensais: março 2012

Fotos submarinas – Fotógrafo australiano Mark Tipple tira fotos de banhistas nadando embaixo das ondas

Um fotógrafo australiano especializado em fazer imagens de surfistas e mergulhadores retratou pessoas comuns nadando embaixo de ondas.

Recentemente, Mark Tipple havia fotografado surfistas caindo de suas pranchas. As fotografias eram tiradas debaixo das ondas, capturando o momento em que o surfista mergulhava no mar. Na nova série de fotos, Tipple registrou banhistas mergulhando sob as ondas.

‘Nas fotos anteriores, eu estava mais sob a influência do surfe. Quando eu comecei [o trabalho], eu estava a procura de um lado diferente do surfe que não estava sendo visto antes, mas agora o meu foco são nadadores, já que para mim é mais interessante ver as pessoas embaixo d’água sem as pranchas de surfe’, disse Tipple à BBC Brasil.

Tanto as imagens dos nadadores quanto as dos surfistas fazem parte de um projeto batizado de theunderwaterproject.com.

Fotógrafo de Vida Selvagem do Ano: Museu de História Natural de Londres expõe tesouros de concurso de fotos

Esta imagem, intitulada “Cruzamento Zebra”, foi feita na Tanzânia pela fotógrafa britânica Anup Shah. O objetivo dela era mostrar como as formigas veem os animais.

Edwin Giesbers enfrentou uma forte chuva quando decidiu fotografar cogumelos próximos à sua casa, na Holanda. “Eu percebi este cogumelo e depois vi que havia um sapo”, conta ele. “Eu me aproximei muito lentamente e usei uma velocidade baixa da câmera para mostrar a chuva.”

Este elefante asiático estava tomando um banho quando o fotógrafo americano Jeff Yonover o flagrou. Yonover conseguiu retratar o exato momento em que a tromba do elefante funcionou como um “snorkel”.

Rinocerontes pretos, uma espécie ameaçada de extinção, são criaturas solitárias, segundo o fotógrafo sul-africano Wynand du Plessis. Mas na Namíbia, ele encontrou vários rinocerontes do tipo que se relacionavam bem entre si e com outros animais.

O cadáver de uma baleia-cinzenta atraiu esta multidão inusitada no Alasca. Ursos polares costumam ser solitários e caçam sobre o mar congelado. Mas este grupo flagrado pelo fotógrafo americano Howie Garber contem vários machos, pelo menos uma fêmea e alguns filhotes.

Estes peixes estão comendo algas e parasitas da casca e da pele de uma tartaruga. A foto foi tirada por Andre Seale, que capturou as imagens no Havaí. Este comportamento ajuda tanto a tartaruga a ficar mais limpa e saudável, como fornece refeição aos peixes.

O Museu de História Natural de Londres selecionou algumas das melhores imagens do seu tradicional concurso Wildlife Photographer of the Year (Fotógrafo de Vida Selvagem do Ano), que existe desde 1964. A competição premia fotógrafos que retratam a natureza.

No total, 80 fotos estão sendo exibidas em uma mostra do museu intitulada Wild Planet (Planeta Selvagem). Todas as imagens, que foram selecionadas pelo zoólogo Chris Packham, foram premiadas em edições passadas do concurso.

A exposição no prédio do Museu abriu na sexta-feira passada e ficará em cartaz até o final de setembro. As legendas das fotos trazem uma breve explicação sobre como os fotógrafos fizeram para capturar as imagens.

Conto de fadas – Fotógrafo russo Andrey Pavlov usa formigas para cria cenas de história infantil

O fotógrafo russo Andrey Pavlov cria cenas de histórias usando formigas como personagens principais.

Ele passa hora arrumando os cenários para capturar imagens dos insetos em várias atividades, desde costura até levantamento de pesos, o que faz com que as cenas se pareçam com imagens tiradas de contos de fadas.

Pavlov afirma que não costuma ir muito longe para fazer as imagens. O fotógrafo geralmente leva seu equipamento para um formigueiro que fica apenas a alguns metros de sua casa em Moscou, na Rússia.

“Nos últimos sete anos, sempre estava com minha câmera mas foi apenas quando tive filhos e comecei a ler contos de fadas para eles, percebi que isto era algo que nunca fiz quando eu era criança”, disse o fotógrafo.

“Foi quando decidi começar criar meus próprios contos de fadas.”

O fotógrafo conta que sua experiência profissional ajudou no momento de criar as cenas.

“Eu costumava trabalhar no teatro, o que foi de grande ajuda para criar objetos de cena”, disse.

Pavlov afirma que escolheu formigas como os personagens de suas cenas “pois as respeito e respeito seu modo de vida”.

“Elas cuidam dos filhos e cuidam dos idosos. Elas existem há milhões de anos.”

Imagens hiper-realistas, do artista escocês Paul Cadden é tema de uma exposição na galeria Plus One em Londres

Desenhos que podem ser confundidos com fotografias são a especialidade do artista hiperrealista escocês Paul Cadden, que é parte de uma exposição em uma galeria de Londres.

Com lápis e papel, Cadden faz desenhos ricos em detalhes e expressões.

As imagens estão sendo expostas na galeria londrina Plus One (www.plusonegallery.com), especializada em hiper-realismo.

A exposição engloba 16 artistas hiper-realistas. Mas as obras de Cadden ficarão permanentemente no local, ou até que sejam vendidas – algumas chegam a custar até 5 mil libras, ou quase R$ 15 mil.

Na opinião de Cadden, suas obras “intensificam o normal”.

Segundo o jornal britânico The Daily Mail, o artista leva em torno de três a seis semanas para produzir cada obra.

Um porta-voz da galeria disse ao jornal que, à primeira vista, as imagens parecem mesmo com fotografias. “Mas, vendo-as ao vivo, de perto, você percebe que é um desenho. Os detalhes são incríveis”.

Yoda, o cão “mais feio” do mundo morreu

O cão que foi eleito em um concurso nos Estados Unidos o “mais feio do mundomorreu, segundo a dona do cachorro.

A cadelinha Yoda, uma mistura de cão de crista chinês com chiuaua, ficou famosa ao vencer a edição mais recente do concurso “O Cão Mais Feio do Mundo“, realizado na Califórnia no ano passado.

A dona de Yoda, Terry Schumacher, conta que quando viu a cadelinha pela primeira vez, em um beco, Terry achou que se tratava de um rato.

O concurso vencido por Yoda em 2011 rendeu US$ 1 mil (cerca de R$ 1,8 mil) à Terry.

Yoda, de 15 anos, morreu enquanto dormia no sábado. A cadela pesava apenas 0,8 quilos e tinha poucos pelos e uma longa e fina língua.

A fama conquistada no concurso abriu portas para Yoda, que participou de vários programas de televisão nos Estados Unidos, inclusive um de “makeover”, onde animais feios recebem tratamentos de beleza.

Terry Schumacher disse ao jornal Hanford Sentinel, da Califórnia, que sentirá saudades do “jeitinho engraçadinho” de Yoda, mas que está feliz que a cadela vai se juntar agora aos pais.

Chimpanzé pegando um sol – Macaco relaxa em zoo na China e ignora visitantes

Não há nada melhor que curtir o solzinho deitado em um terraço. O macaco da foto acima que o diga. Ele ignorou a presença de todos os visitantes em um zoológico na China e aproveitou para relaxar e bronzear a pele – e os pelos.

O animal cruzou as pernas, colocou o braço atrás da cabeça e fez pose de quem não está nem aí para o mundo. Não é à toa que o DNA dos chimpanzés têm mais de 96% de semelhança com o dos humanos.

Foca x Tubarão – Foca escapa de mordida de um tubarão-branco nas águas da África do Sul


Essa foi por pouco! Uma foca que nadava no mar da África do Sul quase foi devorada por um tubarão-branco. Ela passou a poucos centímetros de centenas de dentes afiados e teve tempo de fugir assim que caiu na água.
Sortudo mesmo foi o fotógrafo Chris Fallows, que conseguiu registrar o momento. Ele estava próximo a Ilha das Focas, onde vivem 64 mil focas e os tubarões costumam caçar.

Torre Tokyo Sky Tree – Torre de difusão de TV mais alta do mundo em 2011

A Tokyo Sky Tree, reconhecida como a torre mais alta do mundo em 2011 pelo Guinness, o livro dos recordes, foi concluída nesta quarta-feira (29) na capital japonesa.

Com 634 metros de altura, a torre atingiu sua altura total em março do ano passado e ultrapassou a Canton Tower, na China, que antes detinha o recorde.

A torre não é a edificação mais alta do mundo, pois é superada pelo arranha-céu Burj Khalifa com seus 828 metros de altura, em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos. Segundo o Guinness, o prédio de Dubai é a estrutura mais alta do mundo.

Trata-se da mais alta torre de difusão de TV no mundo, seguida, apenas pela de Cantão na China (600 metros).

Apresentada como um novo símbolo da reconstrução do Japão, ela deveria ter sido concluída em dezembro passado, mas as restrições ao consumo de energia elétrica, após o acidente da central de Fukushima após a tragédia de 11 de março, frearam o ritmo das obras.

A própria torre, um desafio à natureza, resistiu perfeitamente ao terremoto que sacudiu Tóquio e o nordeste do Japão há um ano.

Sua edificação, iniciada em julho de 2008 e que mobilizou sucessivamente 580.000 operários, lembra a da “Tokyo Tower”, um arranha-céu de 333 metros construído em 1958, emblemático da reconstrução do país no pós-guerra.

A Tokyo Sky Tree abriga emissoras de canais de televisão em ondas hertzianas digitais, retomando também o circuito transmitido pela Tokyo Tower, inspirada na Torre Eiffel de Paris.

A torre é concebida para atrair visitantes do mundo inteiro, além de ilustrar uma nova cultura e mostrar uma cidade de Tóquio que respeita o meio ambiente, segundo sua concepção.

A construção, que já atrai numerosos curiosos, não possui nem escritórios nem apartamentos, mas foi dotada com duas plataformas de observação, de 350 m e 450 m de altura.

Os arredores também começaram a ser readaptados para transformar o local em novo centro turístico, de eventos e comercial, num bairro da zona norte de Tóquio onde ainda falta dinamismo, mas também onde os preços dos apartamentos vêm aumentando de forma exagerada nos últimos anos.

Tokyo Sky Tree é vista entre edifícios de Tóquio, que ao seu lado parecem baixos (Foto: Hiro Komae/AP)

Pisando nas nuvens – Homem tira foto fantástica após escalada sobre o vulcão Snfell na Islândia

Um homem protagonizou uma cena impressionante após escalar uma montanha na Islândia. Remi McMurtry foi fotografado sobre o vulcão Snfell, cujo cume tem 1.446 metros de altura, parecendo estar “pisando nas nuvens” ao seu redor.

A cena foi fotografada pelo parceiro de escalada de McMurtry, Will Copestake, que estava em um ponto ainda mais alto nas bordas salientes do vulcão. Ambos têm 21 anos de idade.

Os dois contam que sortearam o destino de um chapéu com outros nomes de lugares ricos em turismo de aventura. A escalada fez parte de uma longa caminhada de 27 dias pela Islândia no meio do ano passado, durante o mês de junho mais frio dos últimos 59 anos.

“Partimos por volta de meio-dia. No verão da Islândia, o sol fica visível durante 24 horas, então a falta de luz não é um problema. Passamos o tempo todo nas nuvens, sem conseguir ver muito bem o que estávamos fazendo” conta Copestake.

Segundo ele, mesmo no topo das bordas ainda foi preciso esperar as nuvens se dissiparem. “Esperamos cerca de 20 minutos até que a cena ficou mais clara”, diz.

Snffellsjvkull, como também é conhecida a montanha, significa “geleira das montanhas de gelo” em islandês. O vulcão tem cerca de 700 mil anos de idade e possui uma geleira sobre seu cume. Ele ficou famoso principalmente pelo livro “Viagem ao centro da Terra”, de Julio Verne, já que é por ele que os personagens encontram a entrada para o início da jornada.